Buscar
  • Forcafé

Produtores do Espírito Santo investem em crédito rural


O ciclo da agropecuária envolve o preparo do solo, manejo da planta, colheita e comercialização do fruto, para que se desenvolvam com excelência. Além dos cuidados do produtor, são necessários investimentos em insumos, máquinas e demais ferramentas que são fundamentais para o trabalho no campo. O crédito rural é um instrumento que possibilita o custeio dessas atividades e a adoção de tecnologias, o que tem transformado a vida de diversos agricultores familiares no Espírito Santo.

O crédito rural é uma política pública que agrega os eixos ambiental, social, econômico e de inovação. Para a elaboração do projeto de crédito, todos esses eixos são planejados juntamente com a unidade familiar. São levantadas demandas como: os melhores locais para alocação de uma cultura, a melhor época de plantio, as práticas de cultivos a serem empregadas, os canais de comercialização, a mão de obra a ser envolvida, respeito às normas do Código Florestal, entre outros, conforme explicou o coordenador da Comissão de Apoio ao Crédito do Incaper, João Marcos dos Santos Junior.

O recurso do crédito rural possibilita o investimento para quem inicia o trabalho no campo, como é o caso do jovem agricultor Rogério Kruger, de 33 anos. Antes de se tornar um agricultor, ele operava trator na região de Santa Leopoldina, onde cresceu na propriedade rural da família. Já seu irmão, Gleydson Booner Kruger, de 36 anos, que hoje divide o trabalho nas lavouras de café e inhame, trabalhava em um supermercado do município.

Doze anos atrás, eles tiveram o primeiro acesso ao crédito rural pelo Pronaf. O dinheiro do financiamento foi investido para a plantação da lavoura de inhame, na propriedade familiar, e em instrumentos, como transformador e encanamentos.

Com um novo acesso ao crédito, foi comprado um trator agrícola usado nas lavouras e também para a fabricação de silagem com o milho plantado na entressafra do café ou do inhame. A ensilagem de milho gera cerca de 90 toneladas de silagem, que são comercializadas e complementam a renda dos agricultores. Hoje, o cultivo na propriedade dos irmãos rende, aproximadamente, três mil caixas de inhame e 1.200 sacas de café ao ano.

“Eu e meu irmão decidimos investir na propriedade da família, mesmo sabendo que não era fácil. Mas, com amor, dedicação e persistência estamos produzindo bem e dando continuidade ao trabalho na roça. O crédito nos ajudou muito e ainda ajuda. Sem o financiamento não teríamos dinheiro para investir”, contou Rogério.

O ELDR do Incaper de Santa Leopoldina foi o escritório que mais se destacou na elaboração de projetos de crédito rural em 2020. De acordo com o coordenador do Escritório Local, João Paulo Ramos, a soma de recursos dos financiamentos foi de cerca de R$ 3 milhões. O financiamento foi destinado, principalmente, a jovens com faixa etária entre 23 e 40 anos.

Conforme explicou o coordenador do ELDR, que também é extensionista, o Incaper atua como uma das pontes para acesso ao crédito rural. O agricultor levanta a sua demanda e o servidor do Instituto elabora o projeto, com base na análise da produção e na viabilidade técnica e econômica.

“A demanda de crédito rural só cresce com o passar dos anos. O crédito é extremamente importante para a família e, principalmente, para o homem que está começando a vida no campo. Possibilita recurso para alavancar a propriedade, além de promover a sucessão familiar. A taxa de juros do Pronaf é adaptada à realidade do agricultor e isso é um grande benefício”, destacou João.

Com o objetivo de incentivar a elaboração de projetos de crédito rural, que visam ao fortalecimento da agricultura familiar, o Incaper lançou uma premiação destinada à valorização dos servidores. Por meio de critérios quantitativos e qualitativos, serão premiados, no início de 2022, servidores e equipes de acordo com o número de projetos de crédito elaborados nas seguintes categorias: Servidores do Ano do Crédito, Equipe Local do Ano do Crédito e Equipe Regional do Ano do Crédito.

“O crédito rural é estratégico para a melhoria das atividades agropecuárias, especialmente para agricultores familiares capixabas. A premiação é para estimular e motivar as equipes operacionais do Incaper na elaboração de projetos de crédito rural, que tem como objetivo principal a melhoria das condições de trabalho no campo”, afirmou o diretor-presidente do Incaper, Antônio Carlos Machado.

Segundo o coordenador da Comissão de Apoio ao Crédito do Incaper, João Marcos dos Santos Junior, a intenção do Instituto é valorizar os profissionais e as equipes que participam do processo de crédito e isso será feito por meio de capacitações profissionais e melhorias nas infraestruturas dos escritórios. “A premiação resultará na valorização dos servidores, da Instituição e o ganho também é para as famílias rurais, que passarão a contar com uma equipe mais especializada e com melhor estrutura para seu atendimento”, completa.

As informações são da Assessoria de Comunicação do Incaper.

4 visualizações0 comentário