Buscar
  • Forcafé

Pesquisa destaca que produtor busca cada vez mais produzir café especial


O Sebrae/NA – Unidade de Competividade e Unidade de Gestão Estratégica e o Sebrae/DF – Gerência de Negócios em Rede realizaram uma pesquisa on-line intitulada Cafés Especiais: Perfil e Sabor, entre os meses de outubro e dezembro de 2020, com profissionais da cadeia produtiva de cafés especiais.

Segundo os dados coletados, 52% dos profissionais da cadeia produtiva do café especial no Brasil estão há no máximo cinco anos nesse ramo. “O nicho do café especial é totalmente novo no País, mas o fato de agregar valor ao produto e por haver uma procura maior, pelo consumidor, por cafés diferenciados, faz com que esse mercado tenha um grande potencial de expansão”, comenta o presidente do Sebrae, Carlos Melles.

De acordo com o estudo, o mercado dos cafés especiais conta cada vez mais com o perfil de empreendedores jovens e com uma participação maior das mulheres à frente desses negócios. Os empresários apontam a mudança de comportamento do consumidor, que têm se preocupado mais com a origem do grão e como ele é produzido.

Entre os produtores rurais que trabalham com cafés especiais, isso já representa em média 44% da produção total, a variedade catuaí amarelo é a mais cultivada entre os produtores e, no pós-colheita, o natural foi a resposta de 83% das pessoas. Os donos de torrefação, assim como os proprietários de cafeterias, levam mais em consideração o perfil sensorial, a pontuação do café e a origem do produto do que o preço que irão pagar.

O novo perfil desse consumidor reflete no aumento da produção dos orgânicos e com selo de Indicação Geográfica. “Os produtores de cafés especiais estão produzindo cafés orgânicos, a tendência é que haja um incremento desses fatores pois há um mercado consumidor mundial ávido por produtos diferenciados”, pontua Carlos Melles.

O presidente do Sebrae destaca que a instituição tem trabalhado cada vez mais para a profissionalização desse mercado e para o aumento de registros de IG, além de estimular a participação desses empreendedores em concursos, em campeonatos nacionais e internacionais e na exportação do produto.

Segundo a pesquisa, os donos de cafeteria e torrefações levam mais em consideração o perfil sensorial, a pontuação do café e a origem do produto do que o preço que irão pagar na hora de escolher os grãos para comercializar. Em relação aos baristas, 50% dos que responderam tem especialização em cursos, 45% são prestadores e consultores de serviços na área, 30% é registrado como barista e 28% atua como freelancer. Em relação a cafeteria, o método hario v60 é o mais servido, com 72%, seguido da prensa francesa, com 63%, e da aeropress, com 52%.

As informações são do Sebrae.

1 visualização0 comentário